Fotografia, Suzana Guimarães

sábado, 14 de setembro de 2013

Eu disse que gostava de diários?

Estou em um péssimo ponto, entre aqui e lá, aguardando. E essa espera mata a alma porque eu gostaria de não estar esperando.
 
Estou sem saber muito bem onde estou, se é que estou, se é que sou.
 
Estou perdendo meus registros, parte da minha biografia se esvai, escapa pelos meus dedos e a única coisa que posso fazer é deixar essa areia caminhada deslizar. E espero.
 
Espero reencontrar-me depois que essa maldade passar, depois que essa tempestade eterna cravar-se em mim, no oculto da célula, lá, onde eu comecei.  
 
Nem certa é a certeza de que tudo passa, pois apenas se distancia, distancia, tanto, mas tanto, que um dia, você também se vê, grão de areia de chão que se foi.
 
 
Setembro, 14