Suzana Guimarães Lily, by LRGM

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Diacov


"acordei num barco sem ti não é o mesmo que dizer que acordei num barco onde o vento, o mar cuspindo em mim, nada de um mundo sem ti, nada no fundo sem ti, nunca mais me deixe acordar aqui, tudo em espécime, meu deus, meus cabelos, tudo aguaceiro sem ti, veja o peixe morto, veja a morte há horas ali, nada de um mundo todo sem nós por aqui, nós, nós nunca nos demos bem, acordei nesse barco sem roupa, acho que nunca dormi, não tenho sono, não tenho frio, não tenho nome pra vestir. não tenho língua que chegue."


"fico repousando a cara sobre o teu perfil. fico repousando a carla fico repousando a malha das coisas que quero escrever e não escrevo nunca porque a maré porque o vendedor de espelhos porque as enguias erradas porque eu preciso porque eu pretendo e fico. uma tarde e meia. é o tempo que tenho desde que lancei meu corpo ao caldo disso. aguarda um jardim de abóboras a lírica chafariz enquanto eu te gosto e tanto."


Por Carla Diacov

domingo, 24 de agosto de 2014

Enfim...



(arquivo pessoal de Suzana Guimarães)



A minha piada - de 2014: meu livro dOloreS está longe de completar um ano de publicado e já tem pessoas pedindo o meu segundo livro. Detalhe: essas pessoas que estão pedindo não leram dOloreS.
Será que eu terei culhão para o segundo livro?

Ontem, 23 de agosto de 2014, num papo informal.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

AMAR VIRTUAL



Totalmente sem querer, descobri uma ex-história de amor virtual. Quem nunca viveu? Ou de amor, ou enorme simpatia, não sei ao certo, histórias de entrosamento por palavras, músicas e imagens... paixão, amizade, intenso interesse, curiosidade, realmente não sei denominar. Fica em mim a única certeza: esse gostar é dono de si mesmo, sem sombra de dúvidas, pois o improvável é a ordem que dita essas histórias. Fato. Constato.

Diários? Eu rio. E choro.

Agosto, 19

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Decisões corajosas, todas elas, não importam os resultados, todas, sem exceção, são o que carrego de mais sagrado, foram o melhor de mim, foram a plenitude de um momento meu. É o que carrego em meus braços, a lembrança e o resultado, e é o que me embala nas noites em que perco a rota.

Eu disse que gostava de diários?

Agosto, 15

sábado, 9 de agosto de 2014

E, sem pensar que, do nada, sem aviso, você se vê diante da fotografia dele. No ano passado, no dia dos pais, meus irmãos e eu estávamos junto a ele, no hospital. No ano passado, eu tinha pai para dar meus parabéns. Este ano, não. Então, a gente é assim: antes e depois das pessoas em nossas vidas.

Agosto, 2014.