Suzana Guimarães Lily, by LRGM

domingo, 31 de maio de 2015



Eu sempre ia afoita, cheia de esperança e vontades, muitas, ia meio que delirante, fingindo ter-me sob controle. Agora, eu vou vazia, oca, desgastada, puída, sem a mínima fé na amizade e muito menos no amor. Muito menos, na expectativa da doação. Eu ainda vou afoita, mas fingindo coisa alguma. Simplesmente vou porque quero ir.

Amanhã, inicio o regresso. Espero encontrar-me lá.

Maio, 31


Você pensa em mim com certo rancor, mágoa, sei lá, eu apenas sinto. Você sofre a ilusão da gaiola, imagina conter tudo em suas mãos largas e fortes, mas, meu bem, você desconhece a estranheza, o estar em tudo e em nada, a ignorância do que dizem. O que dizem? Pouco importa, mas é o mesmo que navegar em mar aberto sem bússola, água e comida - ah, porque há muita fome e disso eu entendo que você conheça -, é voar em céu sem pouso. Você não me alcança nem que eu falasse todas as línguas. Você não me alcança porque, enquanto falo, você pensa na resposta.

Maio, 31
Podem me tirar tudo, menos meu humor e a minha cultura.

sábado, 30 de maio de 2015

Faça-me rir e eu o farei rei.


Ontem, R. e eu fomos à uma festa em um bar. Fui convidada há um mês. A aniversariante me recebeu com muita simpatia, abraços e sorrisos, mostrou-se muito educada, gentil e agradável... ela trabalha na escola onde meu filho estuda. Chegamos um pouco tarde e não havia assento para nós. Era um bar e para mim tudo estava ótimo! De repente, vejo dois lugares desocupados. A gente senta. R me diz que ouviu duas pessoas dizendo que éramos intrusos e que uma fulana ficasse de olho nas bolsas em cima dos sofás. R. não queria me deixar passar, claro, eu iria enquadrar aquela criatura... eu precisava que ele se levantasse para eu passar. Quase rosnei, daí, ele cedeu. Uma das pessoas estava de costas, eu cutuquei dois dedos em suas costas e meu Inglês que quase nunca sai bom, saiu mais que bom, perfeito, alto e em bom tom. Uau! Ninguém fala merda na minha frente, não! Se falar, leva!


Eu disse por acaso que gostava de diários?

Maio, 30
Homens são atraídos pela beleza. Mulheres, pela oculta promessa.

sexta-feira, 22 de maio de 2015



A falta do amor ou ele próprio, um falso, eu vejo devagar, demoro anos. O amor de verdade, vejo numa fração de segundos.

Eu disse que gostava de diários?

Maio, 22

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Sobre crise


Aprecio a crise. Sem ela, tudo é festa. Tudo está ótimo e as pessoas são afáveis e sorridentes. Todos iguais, feito soldadinhos na fila. Aprecio a crise porque é ela quem faz a desordem e retira as máscaras; mostra a verdade. Gosto dela, apenas dela. As reações humanas que irão compor esse momento são óbvias demais. Nada contra o óbvio, mas dar de cara com o verdadeiro caráter de uma pessoa é algo esperado. Só os tolos não pensam ou aguardam por isso! Eu aprecio o fogo ardendo e os ratos correndo. 


Marcante maio, 2015

sábado, 16 de maio de 2015

disappointed...



(arquivo pessoal de Suzana Guimarães)

The word is disappointed... As palavras são bonitas, algumas definem tudo em poucas sílabas, dispensam frases, dispensam sentenças, dispensam orações.

Maio, 2015

sábado, 2 de maio de 2015



https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=9fmMK0lfv80


Eu não preciso desta música para me lembrar dele, para isso, basta ollhar o espelho ou ouvir o som que as folhas fazem quando o vento bate nas árvores... basta eu deixar explícito meu gênio irascível ou meu gosto por armas e dicionários. Para eu me lembrar dele nem preciso disso, do ato de recordar. Está impregnado em mim, em minhas crias, em certos homens que atravessam o meu caminho... e eu me reencontro com ele, mesmo assim, vendo aquele homem ao longe, cabeleira branca, andar trôpego, de mãos dadas com ela... não é ele? E eu sou eu? Juro por esta existência, eu transpirei amor quando vi aquele senhor caminhando, nem sabendo de mim, estática em frente à porta do supermercado, chorei feito criança, sozinha, perdida, igual naquelas noites em que pensávamos que ela iria na frente e ele, muito nervoso, tentava controlar situações incontroláveis.

Eu disse que gostava de diários?

Maio, 2