Fotografia, Suzana Guimarães

domingo, 21 de maio de 2017

A mudança em si, apesar da exaustão, é suportável. O difícil é arranjar o velho dentro do novo. É chato perceber que guardamos com todo o zelo e cuidado o que não nos interessa ou não nos seja muito útil. Do que gostamos, cuidamos, mas sem preciosismo - isso é muito bom -, mas por que não o contrário ou o desapego para o que realmente não queremos? A gente não seleciona e por consequência acumula porque o mais fácil é um caminho sedutor e apreciamos coisas fáceis, apesar de negarmos. 

Percebo que qualquer mudança é igual.   

Maio, 21