Fotografia, Suzana Guimarães

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

"Horas roubadas como um celular barato". Paulinho Saturnino Figueiredo

Nas madrugadas, não se pode mais velar o corpo de um morto nas funerárias em Belo Horizonte porque as famílias e os amigos presentes estão sendo roubados por gangues. O corpo fica sozinho, trancado em uma sala à luz de uma bruxuleante vela... 


Não nos é mais permitido... a corja não permite.

Eu disse que gostava de diários? 

2013