Fotografia, Suzana Guimarães

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Por ser ébria...



(arquivo pessoal de Suzana Guimarães)



Rancor, eu não guardo. Leonino é esquentado, estoura facilmente, mas tem o coração mole. Porém, esse coração mole, uma vez magoado, está magoado e ponto. E eu descobri que deitar na mágoa, bebê-la, sorvê-la, encharcar-me dela é bem melhor que ficar fazendo cara de sóbria. Cansada de sobriedades. As idades dos meus filhos me impedem de envelhecer, mas que a vida seja pelo menos excitante. Um quê de imprevisão cai muito bem em mim, graças a Deus. Um quê de 'melhor rasgar o mapa porque não há mais mapas'.


Eu disse que gostava de diários? Eu nunca disse.
Maio, 5