Fotografia, Suzana Guimarães

terça-feira, 2 de junho de 2015



Meu amor arrastou-me para o tatame, hoje. Treinei com um cara que eu gosto. Mas há algo que me intriga: por que alguns colegas comentam que eu não luto jiu jitsu? Ah, por quê? Porque eu gosto das técnicas, belas feito uma dança, um balé, mas luta é luta e eu não gosto de perder. Meu amor disse-me: "Você pensa que na rua eu vou fazer técnica de Jiu Jitsu?". É isso! Foram os brasileiros que inventaram essa luta e então ela está dentro de nossos moldes e gente abaixo da linha do Equador tem fogo nas ventas, gingado nos quadris, molejo na alma. Eu empurro, escorrego, prendo, dificulto, só falta eu morder. Não mordo porque mamãe deu educação.

Eu ando pegando os últimos dias na unha. Se você for tolo, parvo e manso, mantenha distância, por favor.